Virtuality

Virtuality

Apreciei o tratamento visual dado a Virtuality, o piloto de uma nova possível série de ficção científica de Michael “Battlestar Galactica” Taylor. A ambientação da nave e o desenvolvimento dos personagens faz lembrar uma versão melhorada de Sunshine – Alerta Solar (Sunshine – 2007).

Infelizmente, a primeira parte do filme é extremamente truncada e cansativa, devido às constantes inserções de vinhetas fictícias da FOX e reportagens da tripulação da nave para os telespectadores na Terra. Essas inserções se misturam e entrecortam a história principal a todo instante e, ao invés de trazer dinamismo, proporcionam confusão e ruído… O virtuosismo gráfico de Howard Chaykin nos quadrinhos, em particular em American Flagg, e do cineasta Paul Verhoeven em RoboCop foram novamente imitados em Virtuality, mas sem o mesmo sucesso.

Virtuality

Mas, após quase quarenta minutos de filme, no momento da discussão no refeitório entre as personagens Alice Thibadeau e Sue Parsons, a coisa começa a pegar ritmo! E o final, apesar de um pouco óbvio, ficou também interessante.

Com este saldo positivo, e apesar da audiência do piloto não ter sido essas coisas, eu torço para que a série seja aprovada pela FOX.

Curiosidade (com spoiler): além de Sunshine, a trama de Virtuality me fez lembra uma história da Marvel, publicada no Brasil na extinta revista Premiere Marvel dos anos 80: Caçador 3000 (Seeker 3000).

Caçador 3000

O vilão, Jason, que manipula para proveito próprio o projeto genético de colonização de uma nova Terra, acaba sofrendo um acidente fatal. Entretanto, sua memória é virtualmente guardada no computador principal da nave. Algo parecido com o que acontece com o comandante Frank Pike de Virtuality, não?

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Comentários, Ficção científica, Memórias

Uma resposta para “Virtuality

  1. Luiz Felipe Vasques

    Eu tinha esta revista. Uma história muito, muito boa, sim!… achava curioso como a nave era uma Enterprise turbinada 🙂 A situação de telepatas, quase em uma escravidão, era uma idéia nova para mim.

    Já de Virtuality, fica, novamente, o lamento por algo que tanto prometia, mas não vingará.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s